INTOXICAES E ENVENENAMENTOS PDF

18 jul. M mb`kxism hkuuk xrnbngfm é emdzrkklhkr{d xizm zke{ginr hk as substncias, seguras e eficazes, para o tratamento de intoxicaes. acidentes domsticos, acidentes infantis, envenenamento infantil, farmacovigilncia. download roland e 80 owners manual online roland owners manual piano e 80 intoxicaes e envenenamentos devemos fazer tudo para que nossa casa seja. time intoxicaes envenenamentos no apanhe cogumelos se no os distingue exactido use os pesticidas cumprindo todas as regras de preparao e aplicao e.

Author: Shagar Majind
Country: Switzerland
Language: English (Spanish)
Genre: Business
Published (Last): 3 December 2017
Pages: 211
PDF File Size: 19.92 Mb
ePub File Size: 16.22 Mb
ISBN: 405-7-48537-169-1
Downloads: 12114
Price: Free* [*Free Regsitration Required]
Uploader: Moogukinos

Post on Jul views. Atravs dessa edio a Revista Espao Cientfico Livre j est a um ano online, estimulando a construo coletiva do conhecimento. A partir desta edio de um ano, os leitores podem notar alteraes grficas, espero que gostem. Agradecemos a todos que contriburam e envenenamengos enviando artigos. Sem a colaborao o projeto da Revista Espao Cientfico Livre, uma publicao multidisciplinar de abrangncia nacional, no seria possvel Continue essa jornada conosco e boa leitura.

Os textos assinados no apresentam necessariamente, a posio oficial da Revista Espao Cientfica Livre, e so de total responsabilidade de seus autores.

Materia Medica a Explicada

A Revista Espao Cientfico Livre esclarece que os anncios aqui apresentados so de total responsabilidade de seus anunciantes. Este contedo pode ser publicado livremente, no todo ou em parte, em qualquer mdia, eletrnica ou impressa, desde que a Revista Espao Cientfico Livre seja citada como fonte. As figuras utilizadas nesta edio so provenientes dos sites Stock. As figuras utilizadas nos artigos so de inteira responsabilidade dos respectivos autores.

Saiba interpretar as medidas de associao de artigos cientficos, como risco relativo, intervalo de confiana e odds ratio.

Poisoning by Plants, Mycotoxins and Related Toxins

Intxicaes para estudantes ou profissionais que queiram conhecer e se aprofundar sobre o assunto. Uma introduo ao tema interaes medicamentosas, com definies e exemplos atuais. Este curso tem como objetivo fornecer conhecimentos tcnicos e cientficos em relao a possveis dvidas sobre intodicaes referncia, similar e genrico. Para um atendimento de qualidade na dispensao de medicamentos. Envenenamentox da teoria, este curso apresenta exemplos prticos. Ideal para estudantes e profissionais. Apropriaes libertrias sobre o espectro radiofnico: A partir da etnografia em duas Rdios Livres brasileiras, tratou-se de cartografar as apropriaes tcnicas e polticas que essas Rdios exercem sob o espectro eletromagntico, alm de discutir a articulao entre as formas de organizao das Rdios Livre e as mltiplas interaes com as redes das quais envejenamentos.

Para tanto, utilizou-se o estudo de controvrsias do epistemlogo Bruno Latour, alm de referenciais antropolgicos que compem o que vem sendo chamado de Antropologia Ps-Social ou Antropologia das Associaes.

As Rdios Livres surgiram originariamente no final da dcada de 60, durante eenvenenamentos manifestaes estudantis europias, mas a ideia de Rdio Livre s ancorou intoxicaed terras brasileiras em Se agrupando atravs de coletivos autogestionados, essas Rdios ocupam uma posio bastante controversa no cenrio do r, pois, por transmitirem revelia das leis de radiodifuso, so, para muitos, sinnimo de Rdios Piratas e Clandestinas.

De uma forma geral, o estudo das Rdios Livres aparece como uma maneira de circunscrever as relaes sociais que se configuram atualmente nas sociedades contemporneas, alm de constituir um meio alternativo para a ao poltica. Rdios Livres; redes; estudo de controvrsias; coletivos; comunicao1. Um pouco de histriaOmovimento de Rdios Livres surgiu na Itlia, eme tinha como envsnenamentos principal romper o monoplio estatal das telecomunicaes. A Rdio Alice, de cunho socialista, funcionava em um sistema autogestionrio, e se aliava s foras polticas dos estudantes, trabalhadores, donas-de-casa e intelectuais, servindo como instrumentos de comunicao de projetos coletivos, que se expressam em centros poltico-culturais organizados.

Segundo Guatarria Rdio Alice intoxicaea uma Rdio mergulhada na ao poltica, uma Rdio, como chama o autor, de Rdio linha de fuga. Para ele, o movimento de Rdios Livres e da Envenebamentos Alice, em particular, era um esboo de um mundo que as prprias pessoas poderiam agenciar, atravs de uma prtica coletiva que itoxicaes move criando diversas mutaes na existncia particular.

Meliani NunesA Rdio Alice atuava como fora de resistncia, emitindo sinais de alerta contra a represso promovida pela polcia contra os estudantes, divulgando os pontos de perigo e incitando a populao a se manifestar a favor dos jovens.

No dia 12 de maro deela transmitiu um desses conflitos. O resultado foi um confronto violento entre os policiais e estudantes, culminando na morte a tiros do estudante Francesco Lorusso e o fechamento da rdio. Neste conflito, a Rdio Alice desempenhou um papel fundamental. Estudantes envenenxmentos ligavam para Rdio e eram colocados ao vivo no ar, alm dos informes peridicos dados pela Rdio indicando os deslocamentos da polcia e os focos de represso.

  LTH 209-01 PDF

A Rdio transmitiu a invaso dos policiais at o ltimo momento. Os operadores foram presos e processados, e seus equipamentos destrudos. A ltima transmisso da Rdio Alice foi a seguinte De todo jeito, a situao continua a mesma. Os policiais esto tentando entrar, com seus casacos anti-balas e pistolas na mo Dizem que vo derrubar a porta Pedimos a todos os camaradas que conhecem nossos advogados que envenenamenttos em contato com eles e lhes digam que estamos sitiados Eles os policiais esto dizendo: J entraram, intoicaes dentro, estamos com as mos para o alto!

A Partir da dcada de 80, as Intoxicads Livres alcanam diversos pases e chegam como expresso do movimento de democratizao da comunicao. Segundo seus integrantes, a maior parte das Rdios Livres parte de um projeto pequeno e local, utilizando-se da radiodifuso atravs de transmissores clandestinos. Na Amrica Latina so poucos os registros existentes sobre a histria das Rdios Livres. A Rdio Rebelde, que funcionou em Cuba entre efoi um forte envenenamentks de estratgia polticomilitar utilizado pelos guerrilheiros, entre eles Che Guevara e Fidel Castro, como elo entre o quartel-general e vrias frentes guerrilheiras.

A populao cubana tambm era informada sobre as aes intozicaes rebeldes pelo rdio, o que explica em grande envneenamentos a aceitao dos guerrilheiros pelas comunidades. Entretanto, geralmente aceito que o primeiro sinal de radiodifuso desse tipo de Rdio veio pela Rdio Paranica, de Vitria, no Esprito Santo, montada em fevereiro deno auge da ditadura militar, sob o governo de Emlio Mdici.

Conhecido como o Vero de 82 da Liverpool Brasileira, Sorocaba sediou mais ou menos Rdios piratas emprovocando uma onda de debates e apreenses dessas Rdios na cidade. No existem maiores relatos sobre essas Rdios, seu funcionamento ou sua programao. Porm, como afirma Coelho Netoo Vero acabou iniciando o movimento em defesa da democratizao do espectro eletromagntico. A Rdio Xilique foi a primeira Rdio Livre a inserir com maior sagacidade o debate sobre temas polticos, alm das discusses sobre a impossibilidade de normatizao das Rdios Livres.

Guattari falou sobre sua experincia na Rdio Tomate, na Frana. As transmisses da Rdio Xilique eram voltadas para discusses polticos, culturais e sociais, alm de programas musicais e de entrevistas. Um exemplo de transmisso da Rdio Xilique, emsegue abaixo: Rdio Livre urgente, em mHz, aberta a todos, exceto a: Eles tm medo dos velhos por suas memrias. Eles tm medo dos jovens por sua inocncia.

Eles tm medo de discos e gravaes. Eles tm medo dos msicos e cantores.

Eles tm medo dos escritores. Eles tm medo dos filsofos. Eles tm medo dos prisioneiros polticos. Eles tm medo da verdade. Eles tm medo da liberdade. Eles tm medo da democracia.

Histria da Alfabetizao de Crianas no Brasil – Daylane Soares Diniz

Eles tm medo da declarao universal dos direitos do homem. Ento, por que diabos estamos com medo deles? A Rdio colocou seu transmissor disposio da greve geral dos bancrios que ocorreu neste mesmo ano, tendo direito palavra na assembleia paulista na Praa da S. Nesta mesma poca, foi criada uma cooperativa dos Rdio-Amantes, com o intuito de se solidarizarem em caso de represso, alm de auxiliarem na construo de equipamentos radiofnicos.

No se sabe o fim exato da Rdio Envenenametos alguns dizem que ela simplesmente acabou e no se sabe quando; enquanto outros atestam que ela foi fechada pelo Dentel Departamento Nacional de Telecomunicaes, rgo extinto desde a Constituio da Repblica.

Emergncia Mdica – [PDF Document]

Hoje, a Rdio Livre intoxicaee eminente a Rdio Muda, Rdio que funciona dentro da Unicamp Universidade Estadual de Campinas, em Campinas, e que serve de referncia para todas as outras Rdios Livres que surgiram em vrias partes do pas. Essas Rdios se articulam em redes, e constituem aquilo que aqueles que transitam nestas redes chamam de Rizoma de Rdios Livres, espao no qual se articulam Encontros Nacionais, informaes sobre equipamentos de rdio, transmissores, como10BRASIL, N.

Porm, nascendo a partir de uma srie de controvrsias polticas e jurdicas, o conceito e significado Rdio Livre apenas para uns. Do ponto de vista da legislao brasileira, as Rdios Livres so ilegais e tidas como clandestinas. Mas quem so os envolvidos?

  LA CIENCIA DE LA ORACION YIYE AVILA PDF

Quais so os porta-vozes e como eles reagem? A partir do trabalho de campo, foi possvel notar as prticas coletivas de gesto, as ocupaes fsicas e espaciais do ambiente radiofnico e a articulao dos Encontros Nacionais, alm do engajamento poltico inerente a esse tipo de atividade, pois, antes de tudo, as Rdios Livres so grupos contestadores, que reivindicam do Estado uma democratizao dos meios de comunicao, apontando os mecanismos dos rgos estatais para dificultar ou impedir uma mdia mais inclusiva e comunitria.

Podemos notar que ocupar uma palavra bastante frequente nas reunies das Rdios Livres. No trabalho de campo, acompanhei discusses de como ocupar o envenenamengos a frequncia a ser escolhida pela Rdio para a transmisso; as questes sobre os parmetros tcnicos dos equipamentos, as discusses sobre a grade de horrios; oficinas para a construo de transmissores; festas para angariar recursos geralmente dentro das Universidades, etc.

Dessa forma, ocupando espaos fsicos e eletromagnticos essas Rdios constroem o seu cotidiano a partir de ideias do que elas consideram como apropriao de espaos pblicos como forma de contestao poltica e social. A ocupao do espao fsico para o funcionamento de uma Rdio Livre geralmente acontece em espaos vazios, que pertencem a grmios estudantis ou diretrios acadmicos no caso das Rdios pesquisadasque so informalmente doados para a construo do estdio.

Mas existem casos em que os espaos ocupados eram depsitos ou salas vazias, que, sem visvel serventia, foram envenenaemntos revelia dos donos oficiais.

J a ocupao do espao eletromagntico um pouco diferente. De forma geral, a frequncia a ser transmitida por uma Rdio Livre ou seja, a ocupao eletromagntica – procurada pelos integrantes atravs de um rdio difusor comum, no intuito de tentar localizar brechas no dial para assim ocupar um espao que esteja relativamente livre lembrando que os espaos eletromagnticos so ocupados por Rdios outorgadas pelo governo, o que significa que o itoxicaes da Rdio Livre provavelmente vai se sobrepor ao sinal de alguma Rdio que esteja transmitindo legalmente.

Assim que os integrantes escolhem a frequncia, necessrio decidir a potncia a ser transmitida e consequentemente a compra do transmissor. A preferncia a utilizao do transmissor caseiro, que mais baratos e que pode facilmente ser construdo pelos envenenamsntos das Rdios.

Alm de compartilhar as tcnicas de construo e aperfeioamento dos transmissores, tambm discutido nesses Encontros o uso de software no proprietrio software livre4 – para a transmisso dos sinais de radiodifuso. Observamos que a utilizao de software livre tambm uma forma poltica de contestao, pois, ao ir contra a utilizao de software proprietrios como o Windows, por exemploas Rdios Livres se posicionam contra a comercializao de programas e servios que, por manterem uma licena livre, podem ser utilizados por qualquer um e no necessitam de serem mercantilizados.

O Governo Federal, por exemplo, tem um programa de implementao e envensnamentos aes inclusivas que envolvem os softwares livres, com a inteno de fortalecer a comunidade do governo, criando mecanismos de colaborao e compartilhamento intodicaes informao e de conhecimento, aumentando a interao entre os tcnicos do governo e destes com a sociedade5.

Existem tambm outros programas de incluso digital que so financiados pelo Ministrio da Cultura, como os Pontos de Cultura e todos se beneficiam dos softwares no proprietrios. Ser que esse interesse por parte do Governo nos apontaria para um possvel dilogo entre os movimentos marginais de mdias livres e o poder centralizador do Estado? At ento no existem muitos estudos sobre a possvel parceria entre ambos, mas sabe-se que o interesse dos rgos estatais pela tecnologia livre grande.

Figura 1 Oficina de Construo de Transmissor Fonte: Todos so elementos constitutivos das Rdios Livres, que concretizam a ao poltica e comunicativa desse tipo de Rdio.

Mas isso no tudo. Alm do seu carter subversivo, essas Rdios se renem em uma rede de interconexo muito interessante a qual eles chamam de Rizoma de Rdios Livres.

O Rizoma de Rdios Livres ou projeto Radiolivre.